A CATEQUESE NA MISSÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA

“Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda a criatura” (Mc 16,15)

“Ide, pois, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, baptizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28,19-20)

“Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós e sereis minhas testemunhas… até aos confins da terra” (Act1,8).

Jesus, foi enviado pelo Pai, a anunciar a Boa Nova, ou seja, o Evangelho. Dedicou toda a Sua Vida terra a esta missão. Após a sua ressurreição, derramou o Espírito Santo aos apóstolos e enviou-os por todo o mundo a anunciar a Boa Nova.

O mandato de Jesus comporta vários aspetos intimamente ligados entre si: anúncio, testemunho, ensinamento, sacramentos, amor ao próximo, fazer discípulos: todos são meios para a transmissão do único Evangelho.

A evangelização é o processo através do qual a Igreja, conduzida pelo Espírito, anuncia e difunde o Evangelho em todo o mundo:

– Impulsiona pela Caridade, assumindo e renovando as culturas,
– Dá testemunho entre os povos do novo modo de ser e viver dos cristãos,
– Proclama o Evangelho, chamando á conversão
– Inicia na fé e na vida cristã, através da catequese e dos sacramentos da iniciação
– Alimenta constantemente nos fiéis o dom da comunhão, mediante a educação permanente da fé, os sacramentos e o exercício da caridade
– Suscita continuamente a missão, enviando todos os discípulos de Cristo a anunciar o Evangelho em todo o mundo, com palavras e obras.

A CATEQUESE:

A catequese é um elemento da evangelização.

O Primeiro anúncio e a catequese
O primeiro anúncio é dirigido aos não crentes e àqueles que vivem de facto na indiferença religiosa. Ele tem a função de anunciar o Evangelho e de chamar à conversão. A catequese, promove e faz amadurecer esta conversão inicial, educando a fé do convertido e inserindo-o na comunidade cristã.

A Catequese ao Serviço da Iniciação Cristã
O “momento” da catequese é aquele que corresponde ao período em que se estrutura a conversão a Jesus Cristo, oferecendo as bases para essa primeira adesão.

A catequese de iniciação é, o elo necessário entre a ação missionária, que chama à fé, e a ação pastoral, que alimenta continuamente a comunidade cristã. É uma ação fundamental para a construção da personalidade do discípulo e da comunidade.
Aqueles que se convertem a Jesus Cristo e foram educados na fé por meio da catequese, ao receberem os sacramentos da iniciação cristã – o Baptismo, a Confirmação e a Eucaristia – “são libertados das trevas, recebem o Espírito de adoção de filhos e celebram com todo o Povo de Deus o memorial da morte e ressurreição do Senhor.”
A catequese é um elemento fundamental da iniciação cristã e está estreitamente ligada aos sacramentos de iniciação, de modo particular o Baptismo. O elo que une a catequese ao baptismo é a profissão de fé, que é, o elemento interior deste sacramento e o objetivo da catequese.
A catequese de iniciação cristã, tem como características a formação orgânica e sistemática da fé. É uma aprendizagem de toda a vida cristã, que favorece um autêntico seguimento de Cristo, centrada na Sua Pessoa. É uma formação de base, essencial, centrada naquilo que constitui o núcleo da experiência cristã, nas certezas da fé e nos valores evangélicos.

A Catequese ao Serviço da Educação Permanente da Fé

– Comunidade Cristã
A catequese de iniciação lança os fundamentos da vida cristã naqueles que seguem Jesus. O processo permanente de conversão vai além do que a catequese de base proporciona. Para que este processo tenha continuidade é necessário uma comunidade cristã, que acolha os iniciados, que os apoia e os forme na fé.
É na comunidade cristã, que os discípulos de Jesus Cristo se alimentam da “Palavra de Deus e do Corpo de Cristo”. A educação permanente da fé destina-se não apenas a cada cristão, acompanhando-o no seu caminho para a santidade, mas também à comunidade, amadurecendo-a na sua vida interior e na sua abertura missionária ao mundo.
Diversas modalidades de catequese permanente:

  1. O estudo e o aprofundamento da Sagrada Escritura.
  2. A Leitura Cristã dos acontecimentos, requerida pela vocação missionária da comunidade cristã.
  3. A catequese litúrgica, que prepara para os sacramentos e favorece uma compreensão e experiência mais profunda da liturgia.
  4. A catequese ocasional, que em determinadas circunstâncias da vida pessoal, familiar, social e eclesial, ajuda a interpretá-las e a vivê-las numa perspetiva da fé.
  5. As iniciativas de formação espiritual, que fortalecem as convicções.
  6. O aprofundamento sistemático da mensagem cristã, por meio de um ensino teológico que eduque verdadeiramente na fé.

É fundamental que a catequese de iniciação para crianças e jovens, a catequese de iniciação para adultos e a catequese permanente, estejam bem coordenadas no projeto catequético da comunidade cristã, a fim de que esta cresça harmoniosamente e a sua atividade evangelizadora brote de fontes autênticas.

A NATUREZA DA CATEQUESE
A catequese é um acto essencialmente eclesial. O sujeito é a Igreja, que, é continuadora da missão de Jesus e animada pelo Espírito, foi enviada para ser mestra da fé. A Igreja, conserva fielmente o Evangelho no seu coração, anuncia-o, celebra-o, vive-o e transmite-o, por meio da catequese.

A FINALIDADE DA CATEQUESE

 “A finalidade última da catequese é pôr as pessoas em contacto, em comunhão, e intimidade, com Jesus Cristo”. Toda a ação evangelizadora tem como objetivo favorecer a comunhão com Jesus Cristo.

“A catequese tem a sua origem na confissão de fé e leva à confissão de Fé”. Pela confissão de fé no Deus único, o cristão proclama a sua vontade de servir a deus e à humanidade.

AS TAREFAS DA CATEQUESE
As tarefas da catequese realizam a sua finalidade. As várias tarefas da catequese estão mutuamente relacionadas. Para as levar a cabo, a catequese inspira-se no método seguido por Jesus para formar os Seus discípulos: dava-lhes a conhecer as diversas dimensões do Reino de Deus, ensinava-os a rezar, incutia-lhes atitudes evangélicas e iniciava-os na missão.

Em virtude da sua própria dinâmica interna, a fé implica ser conhecida, celebrada, vivida e feita oração. E a fé vive-se na comunidade cristã e anuncia-se na missão, é uma fé partilhada e anunciada. A catequese deve promover todas estas dimensões.

As Tarefas fundamentais da catequese:

  1. Favorecer o conhecimento da fé; o conhecimento dos conteúdos da fé é exigido para a adesão à fé
  2. Educação Litúrgica; a comunhão com Jesus Cristo leva a celebrar a Sua presença salvífica nos sacramentos, de modo especial na Eucaristia.
  3. Formação Moral; a conversão a Jesus Cristo implica viver no seguimento da Sua vida. A catequese deve transmitir as atitudes próprias do Mestre.
  4. Ensinar a rezar; a comunhão com Jesus Cristo conduz os discípulos a assumirem a atitude orante e contemplativa do mestre. Quando a catequese é envolvida por um clima de oração, a aprendizagem da vida cristã alcança toda a sua profundidade.
  5. Prepara para viver em comunidade; a catequese prepara o cristão para viver em comunidade e para participar ativamente na vida e na missão da Igreja. A vida cristã em comunidade precisa de uma cuidada educação, seguindo, o ensinamento de Jesus, que propõe várias atitudes: espírito de simplicidade e de humildade; solicitude pelos mais pequenos; atenção especial para os que se afastam; a correção fraterna; oração comunitária; o perdão mútuo; exige AMOR FRATERNO.
  6. Iniciação para a missão; A catequese está aberta ao dinamismo missionário. Esforça-se por tornar os discípulos de Jesus capazes de estarem presentes, como cristãos, na sociedade, na vida profissional, cultural e social. Também os prepara para cooperarem nos diferentes serviços eclesiais, segundo a vocação de cada um.

ESTRUTURA E FASES
A fé, exige um processo de amadurecimento. A catequese, ao serviço deste crescimento, tem de ser uma ação gradual. E é essencialmente cristocêntrica, porque está ao serviço daquele que decidiu seguir Cristo.

No catecumenado baptismal, a formação desenvolve-se em quatro etapas: o pré-catecumenado; o catecumenado; o tempo da purificação e iluminação; o tempo da mistagogia.
O catecumenado baptismal, é o modelo inspirador da ação catequética. Deve-se ter em conta que na catequese os catequizandos, terão uma catequese pós-batismal, pois já receberam o baptismo, já foram introduzidos na Igreja e tornaram-se filhos de Deus por meio do Baptismo. Enquanto que os catecúmenos, terão uma catequese pré-baptismal, em preparação para o baptismo, e entrada na Igreja.

Elementos do catecumenado baptismal que devem ser fonte de inspiração para a catequese:

  • O catecumenado baptismal recorda constantemente à Igreja a importância fundamental da função de iniciação: a catequese e os sacramentos do Batismo – Confirmação- Eucaristia.
  • O catecumenado baptismal é da responsabilidade de toda a comunidade cristã, e não apenas dos padres e dos catequistas
  • O catecumenado baptismal está impregnado pelo mistério da Páscoa de Cristo. Toda a iniciação deve realçar o seu carácter pascal. A Vigília pascal, centro da liturgia cristã, e a sua espiritualidade baptismal são inspiração para toda a catequese.
  • O catecumenado baptismal é também lugar privilegiado de inculturação. A Igreja acolhe os catecúmenos como eles são, com os seus vínculos culturais.
  • A conceção do catecumenado baptismal como um processo formativo e uma verdadeira escola de fé, oferece à catequese pós-baptismal uma dinâmica e algumas notas qualificativas: a Intensidade e a integridade da formação; o seu carácter gradual, com etapas definidas; a sua vinculação com os ritos, símbolos e sinais (bíblicos e litúrgicos); a sua constante referência à comunidade cristã…

A MENSAGEM EVANGÉLICA

A fonte e “as fontes” da mensagem da Catequese

A fonte donde brota a mensagem da catequese é a PALAVRA DE DEUS. 

“A catequese há-de beber sempre o seu conteúdo na fonte viva da Palavra de Deus, transmitida na Tradição e na Sagrada Escritura, porque estas constituem um só depósito, como que um tesouro confiado à Igreja.”

A Palavra de Deus:

– É meditada e compreendida, por meio do sentido de fé de todo o Povo de Deus sob a orientação do Magistério que a ensina,
– É celebrada na liturgia, onde é proclamada, escutada, interiorizada e comentada,
– Brilha na vida da Igreja, na sua história bimilenar, através do testemunho dos cristãos e especialmente dos santos,  
– É aprofundada na pesquisa teológica, que ajuda os crentes a progredirem na compreensão vital dos mistérios da fé,
– Manifesta-se nos genuínos valores religiosos e morais que, como sementes da Palavra, estão espalhados na sociedade humana e nas diversas culturas

Da Palavra de Deus derivam “as fontes”

A Sagrada Tradição: também é fonte, uma vez que transmite integralmente aos sucessores dos Apóstolos a Palavra de Deus que a estes foi confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo.

O Magistério: tem a tarefa de “interpretar autenticamente a Palavra de Deus”, cumprindo em nome de Jesus Cristo, um serviço eclesial fundamental.

Escritura, Tradição e Magistério, estão relacionados e unidos, são as fontes essenciais da catequese.

Os Critérios para a apresentação da mensagem

Os critérios estão intimamente relacionados entre si, uma vez que brotam de uma única fonte:

– A mensagem centrada na pessoa de Jesus Cristo (cristocentrismo)
– O anúncio da Boa Nova do Reino de Deus, centrado no dom da salvação, implica uma mensagem de libertação
– A mensagem evangélica, uma vez que é Boa Nova destinada a todos os povos, procura inculturar-se. O que só poderá acontecer se for apresentada em toda a sua integridade e pureza.
– A mensagem evangélica é necessariamente uma mensagem orgânica, com a sua própria hierarquia de verdades.

Esta é a nossa fé, esta é a fé da Igreja

A Igreja sempre se valeu de formulações da fé, que, de maneira breve, contêm o essencial daquilo que ela crê e vive: textos neotestamentários, símbolos ou profissões de fé, fórmulas litúrgicas, orações eucarísticas. Mais tarde, considerou-se conveniente oferecer uma explicitação mais ampla da fé, na forma de uma síntese orgânica, mediante os catecismos, que foram elaborados nos últimos séculos.
Os catecismos são instrumentos oficiais da Igreja, em relação com a atividade ou a prática catequética. Ao contemplar a riqueza de conteúdo da fé, exposta nestes instrumentos que os bispos propõem ao Povo de Deus, exprimem aquilo que a Igreja crê, celebra e vive, ela proclama: “ Esta é a nossa fé, esta é a fé da Igreja”

– Catecismo da Igreja Católica e Diretório Geral da Catequese: são dois instrumentos distintos e complementares ao serviço da ação catequética da Igreja.
O catecismo é “uma exposição da fé da igreja e da doutrina católica, testemunhadas ou iluminadas pela sagrada Escritura, pela Tradição apostólica e pelo Magistério da Igreja.
O Diretório Geral da Catequese é a proposição dos “princípios fundamentais teológico-pastorais provenientes do Magistério da Igreja e do Concilio Vaticano II” da atividade catequética na Igreja.
Catecismos locais, elaborados ou aprovados pelos bispos diocesanos ou pelas conferências Episcopais, são importantes instrumentos para a catequese “chamada a levar a força do Evangelho ao coração da cultura e das culturas”. Através destes, a Igreja atualiza a “pedagogia divina”, que Deus utilizou na revelação, adaptando a Sua linguagem à nossa natureza.

__________________________________________
Fonte: Diretório Geral da Catequese

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com